TCU analisa hoje contas do governo Dilma

O Tribunal de Contas da União (TCU) decide hoje (17) se aprova as contas do governo de Dilma Rousseff referentes ao exercício de 2014. A sessão começa às 10h e vai analisar o atraso no repasse de verbas para a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil referentes a despesas com programas do governo como o Minha Casa, Minha Vida, o Bolsa Família, o seguro-desemprego e o abono salarial. Os ministros decidem se houve violação aos limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Em abril, o ministro José Múcio Monteiro comentou a prática do governo. Para ele, foi verificado que a Caixa usou recursos próprios para o pagamento de benefícios de responsabilidade da União no ano de 2013 e nos sete primeiros meses de 2014. O pagamento de subvenções do Minha Casa, Minha Vida vinha ocorrendo por intermédio de adiantamentos concedidos pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

“Note-se que, nesse caso específico, o pagamento de dívidas pelo FGTS deu-se sem a devida autorização em Lei Orçamentária Anual ou em Lei de Créditos Adicionais, caracterizando a execução de despesa sem dotação orçamentária”, disse Múcio.

No mesmo mês, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, defenderam o governo no procedimento. Eles argumentam que não foi configurada operação de crédito, pois não há compromisso financeiro assumido pelos bancos.

Tanto Cardozo quanto Adams alegaram ainda que a prática ocorre desde 2001 e que, durante os governos de Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, tal movimentação nunca foi questionada. “Essa situação se verifica desde 2001. E ela se repete porque todos os órgãos jurídicos entendem que essa situação não fere a Lei de Responsabilidade Fiscal. A nosso ver, não há problema”, disse Cardozo.

Fonte: Agência Brasil

Vaticano terá 1º julgamento de clérigo acusado de pedofilia no próximo mês

O primeiro julgamento no Vaticano de um clérigo acusado de pedofilia começará no dia 11 de julho, anunciou o porta-voz da Santa Sé, Federico Lombardi, nesta segunda-feira (15).

“O presidente do tribunal de Estado do Vaticano acusou o ex-núncio apostólico da República Dominicana Jozef Wesolowski. A primeira audiência acontecerá em 11 de julho”, afirmou.

Wesolowski é ex-arcebispo polonês e diplomata papal que foi destituído do sacerdócio no ano passado após denúncias de pagar crianças para realizar atos sexuais.

Renúncia de bispos
O Vaticano também anunciou nesta segunda que o Papa Francisco aceitou a renúncia de dois bispos americanos acusados de proteção a padres pedófilos.

O arcebispo de Saint Paul e Minneapolis, monsenhor John Clayton Nienstedt, e seu adjunto, monsenhor Lee Anthony Piche, renunciaram depois que sua diocese foi acusada pelas autoridades dos Estados Unidos de não ter protegido menores de idade em relação a um padre que foi preso por abusos sexuais.

Fonte: Portal G1

Lewis Hamilton vence o GP do Canadá de Fórmula-1

As Mercedes passearam no circuito de Notre Dame neste domingo e fizeram a quarta dobradinha em sete provas da temporada 2015 da Fórmula-1. Dessa vez, o inglês Lewis Hamilton chegou na frente do seu companheiro de equipe, o alemão Nico Rosberg, e ampliou a sua vantagem na liderança do mundial. Hamilton agora tem 151 pontos contra 134 do seu companheiro de equipe.

Foi a 37ª vitória do inglês na Fórmula-1 e a quarta em sete corridas na temporada. As Mercedes têm seis vitórias no ano. Hamilton levou a melhor ainda na Austrália, China e Bahrein. Rosberg venceu na Espanha e em Mônaco, onde um erro da equipe acabou tirando a vitória do inglês.

 

Foi a quarta vitória de Hamilton na ilha de Notre Dame e a primeira em um carro da Mercedes. As três anteriores, em 2007, 2010 e 2012, foram quando ele pilotava uma McLaren. O inglês só não venceu mais no Canadá do que Michael Schumacher, que tem sete triunfos no circuito (1994, 1997, 1998, 2000, 2002, 2003 e 2004).

Os carros da Mercedes dominaram a prova desde o início e Hamilton só não venceu de ponta a ponta porque perdeu a posição para Rosberg quando foi para os boxes na 29ª volta. Mas ele logo retomaria a ponta para não mais perdê-la quando o alemão fez a sua parada para a troca de pneus na volta seguinte.

Até o fim, Rosberg ainda tentou se aproximar e chegou a ficar cerca de 1s atrás de Hamilton, mas o alemão não conseguiu se aproximar para tentar disputar a vitória da prova.

O finlandês Valtteri Bottas, da Williams, completou o pódio. Ele acabou a frente do compatriota Kimi Raikkonen porque o piloto da Ferrari cometeu um erro no meio da prova, rodou na pista, e acabou perdendo a posição.

MASSA FAZ ÓTIMA PROVA

Se lá na frente, Hamilton e Rosberg lideravam tranquilamente a prova, o grande destaque da corrida acabou sendo Felipe Massa. O brasileiro da Williams largou na 16ª posição e fez uma corrida de recuperação com uma série de ultrapassagens.

Já na nona volta, Massa fez uma ultrapassagem sobre o sueco Marcus Ericsson, da Sauber, e assumiu a 11ª posição. Na sequência, o brasileiro ultrapassou o australiano Daniel Ricciardo, da RBR, e entrou na zona de pontuação.

Mas Massa queria mais. Com o carro apresentando um bom comportamento na pista, o piloto acelerou e na 20ª volta atingia a oitava posição com a ultrapassagem sobre o russo Daniil Kvyat, da RBR.

Na 35ª volta, ele foi para os boxes. Perdeu 3s1 na troca de pneus e 23s na parada total pela passagem dos boxes, mas ainda teve tempo de voltar para a pista e conseguir mais duas posições. Sua última ultrapassagem foi sobre o venezuelano Pastor Maldondo, o que o fez encerrar a prova na sexta posição.

Já Felipe Nasr fez uma prova discreta. O piloto da Sauber terminou na 16ª posição.

Para o espanhol Fernando Alonso a prova também foi uma decepção. O piloto da McLaren abandonou uma prova pela quarta vez no ano. As McLaren, aliás, fazem uma péssima temporada. O inglês Jenson Button também abandonou a prova.

A Fórmula-1 volta no dia 21 de junho para a disputa do GP da Áustria.

 

Fonte: O Globo

Brasil começa bem, leva susto e derrota a Sérvia por 3 sets a 1

Depois de sofrer para superar a Sérvia na estreia do time na Liga Mundial de vôlei, na sexta-feira. o Brasil teve vida mais tranquila neste domingo (31) e anotou sua segunda vitória sobre os rivais. Jogando no Mineirinho, em Belo Horizonte, a seleção brasileira venceu por 3 sets a 1, com placar de 25/18, 25/20, 19/25 e 25/22.

O jogo começou nas mãos do Brasil, que não encontrou grande resistência nos dois primeiros sets e venceu ambos sem sustos. Só que no terceiro a Sérvia acertou a mão e levou a melhor, forçando a disputa do quarto set, em que finalmente o time brasileiro conseguiu sacramentar o triunfo.

Apesar da vitória, o Brasil terminou com menos pontos de ataque (43 a 50), de bloqueio (7 a 8) e também de saque (5 a 6). A diferença veio em função dos erros sérvios, somando 39 contra 21.

Assim como no primeiro jogo, o Brasil não pôde contar com o técnico Bernardinho, suspensos por 10 jogos, por causa de uma confusão durante o Campeonato Mundial, realizado na Polônia, no último ano. Em contrapartida, o capitão Murilo retornou após cumprir uma partida de suspensão, também envolvendo o último mundial.

O próximo compromisso brasileiro será na próxima sexta-feira (5/6), enfrentando a Austrália em São Bernardo do Campo, às 14h (horário de Brasília). Já os sérvios viajarão para a Itália para medir forças com a equipe local, que lidera o grupo com duas vitórias por 3 a 1 sobre os australianos.

O jogo

O primeiro set teve o Brasil no comando dese o começo. A diferença no placar foi variando no decorrer da parcial, mas sempre com os sérvios correndo atrás. O bom desempenho brasileiro e os erros dos rivais, que desperdiçaram 11 bolas levaram fizeram com que a equipe nacional fechasse com tranquilos 25 a 18.

A situação se complicou para o time brasileiro no começo do segundo set, saindo perdendo os três primeiros pontos. Só que o Brasil não demorou muito a reagir e empatou tudo em 4 a 4. A equipe continuou em uma crescente, passou à frente no marcador e a partir de então administrou a vantagem até o fim para anotar 25 a 20.

No terceiro set, a Sérvia foi melhor no começo e abriu confortável vantagem de cinco pontos. Uma boa sequência de Wallace nos saques diminuiu a diferença para um, mas na sequência da parcial o Brasil não conseguiu a virada e acabou perdendo por 25 a 19.

Depois de levar um susto dos sérvios, o Brasil voltou mais firme para o quarto set, que acabou sendo o mais apertado da partida. Disputado ponto a ponto, a definição só veio na reta final, quando o time brasileiro conseguiu uma vantagem um pouco mais confortável e fechou o jogo ao fazer 25 a 22.

Fonte: Uol Notícias

Brasil cai na lista dos emergentes com varejo mais atraente

O desânimo da economia brasileira levou, pelo segundo ano seguido, o Brasil a perder posições no ranking de 30 mercados em desenvolvimento com maior potencial para atrair investimentos estrangeiros para o varejo.

No ranking, elaborado pela consultoria americana A.T. Kearney, o País ficou neste ano no 8º lugar entre os mercados mais atraentes, três posições abaixo da lista de 2014. A perda de atratividade do varejo brasileiro em relação a outros emergentes ocorre depois de o Brasil ter liderado entre 2011 e 2013, esse ranking, que agora tem a China no topo. O Brasil que já foi o “queridinho” entre os mercados de consumo emergentes está hoje atrás de países com o Qatar, Mongólia e Geórgia.

“Lamentavelmente o Brasil perdeu atratividade entre os emergentes, mas esse resultado não foi uma surpresa”, afirma Esteban Bowles, sócio da Prática de Bens de Consumo e Varejo da consultoria.

Ele atribui o fraco de desempenho do País a fatores conjunturais que afetaram o ritmo da economia. Na sexta-feira, o IBGE divulgou que o PIB do primeiro trimestre caiu 0,2% em relação ao trimestre anterior, afetado principalmente pela retração no consumo das famílias, que encolheu 1,5% nas mesmas bases de comparação.

Para elaborar o ranking, a consultoria avaliou 25 variáveis de cada país, reunidas em quatro grupos: atratividade do mercado, risco econômico e político, saturação do mercado e em quanto tempo novos players estarão presentes na região. O consultor diz que o Brasil teve desempenho ruim nos dois primeiros grupos de variáveis analisadas, mas conseguiu obter um resultado favorável em relação à saturação dos mercados e à baixa presença de players internacionais na região.

“O tamanho do mercado brasileiro continua sendo um fator importante de atração de investidores”, diz Bowles. Nas contas da consultoria, o varejo brasileiro movimentou em 2014 US$ 800 bilhões, uma cifra significativa, apesar do esfriamento da economia. O consultor ressalta que setores de beleza, alimentação e material de construção continuam chamando a atenção de investidores.

Enquanto as turbulências no cenário macroeconômico fizeram o Brasil perder posições no ranking, na prática, a valorização do dólar em relação ao real funcionou como um chamariz para os investidores internacionais interessados em comprar ativos mais baratos em moeda estrangeira. É que eles estão de olho no potencial de consumo do mercado a médio prazo. Bowles conta que, nos últimos meses, tem recebido consultas de interessados em empresas do segmento de bens duráveis e alimentos.

Fonte: Yahoo Notícias