Maioria vê carro como leva e traz, diz estudo sobre perfis de compradores

A maioria dos compradores no Brasil vê o carro como mero item de transporte, um leva e traz, aponta pesquisa da Ipsos encomendada pelo Google no Brasil à qual o G1 teve acesso. O objetivo era detectar os perfils de consumidores de carros zero quilômetro com base nos motivos emocionais e funcionais que levam à compra.

O estudo feito entre março e julho deste ano envolveu 500 entrevistas conduzidas online com homens e mulheres de 18 a 64 anos, que compraram um carro novo nos últimos 6 meses.

A Ipsos identificou 5 diferentes perfils dos compradores. A maioria, 28%, se encaixou no tipo “Mobility” (“Mobilidade”, em inglês), que vê no carro um papel funcional e preza a economia.

Veja mais detalhes abaixo sobre como os compradores vêm o carro e o que privilegiam na hora de escolher qual comprar.

Carro = transporte:  28%
Chamado de “Mobility” (“Mobilidade”) na pesquisa, representa os consumidores que têm o carro como uma opção de leva e traz, atendendo um papel funcional.

A decisão de compra desse grupo é orientada pela percepção de economia do carro: eles prestam atenção no consumo de combustível, nos custos de manutenção e do seguro, além do preço.

No processo de compra, esses consumidores consideram avaliações da imprensa e visitam sites de concessionárias e de classificados.

Carro = casa: 24%
Os consumidores com perfil “Family guy” (“Cara de família”) buscam um carro para atender às necessidades da família.

Por isso, ter segurança é prioridade para eles. Eles também buscam um carro “completo” – mesmo não sabendo o que isso significa, diz a pesquisa.

Como não são envolvidos com o segmento de automóveis, preferem marcas e modelos com os quais estejam mais familiarizados.

Seu processo de compra é mais curto e sem muita pesquisa. São impactados pela TV, falam com alguns conhecidos e entram em sites das montadoras para ter argumentos para a compra.

Carro = espelho: 17%
Para quem tem o perfil “Look & feel” (“Olhar e sentir”), o carro é uma expressão de sua personalidade.

Por isso, a decisão de compra é tomada com base na sua percepção da aparência do carro: ele tem que ser bonito, por fora e por dentro. Eles valorizam aparência externa, mas também o conforto e espaço interno do carro.

Esses consumidores são extremamente visuais, por isso o vídeo influi no processo de compra.

Superconectados, eles contam muito mais com o celular para a busca de todas as informações. Mas a compra não é feita sem entrar e “sentir” o carro. Eles visitam muitas concessionárias justamente porque querem ter essa experiência.

Carro = paixão: 16%
O perfil “Driving passion” (“Paixão por dirigir”) representa liberdade, estrada, rua, prazer ao dirigir, descreve o estudo.

A decisão de compra desses consumidores é baseada nessa percepção de dirigibilidade do carro. Eles procuram se informar sobre desempenho e performance do motor, leveza, precisão e respostas rápidas do carro.

Para o apaixonado por carro, o test drive não reflete a experiência que ele quer ter, por isso são os que menos o fazem. Ao pesquisar, contam com a opinião de experts e da imprensa especializada.

Carro = melhor negócio: 15%
O grupo chamado “Want it all” (“Querem tudo”) na pesquisa é o mais racional e o mais crítico.

São aqueles que têm um alto envolvimento com o assunto e querem garantir que vão fazer o melhor negócio.

Eles olham para absolutamente todos os atributos: preço, economia, segurança, conforto, performance, etc. E curtem se dedicar ao processo de compra. São os que dedicam mais tempo nas pesquisas online e contam com mais fontes de informação, sejam elas profissionais ou amadoras.


Tipos de carro comprados
O estudo também mostrou o interesse de vários perfis em um mesmo tipo de carro.

Sedãs premium, por exemplo, atraíram:
23% dos que privilegiam o transporte da família
23% dos que buscam o melhor negócio
17% dos que veem o carro como mero transporte
17% dos que veem o carro como um “espelho”
16% dos apaixonados por dirigir

Isso significa, segundo o estudo, que, para vender um mesmo sedã, a marca precisa falar com cada consumidor de uma maneira personalizada, reforçando atributos que cada grupo julga primordiais.

A pesquisa diz ainda que cada tipo de consumidor compara o sedã premium com carros de segmentos diferentes.

O que vê o carro como um leva e traz o compara os os sedãs básicos, enquanto o que pensa que o carro é uma extensão de sua personalidade o compara com SUVs.

“Por isso as marcas não podem mais pensar que seus modelos só competem com modelos dos mesmos segmentos. Sedãs premium não competem apenas com sedãs premium. Dependendo da motivação dos consumidores, eles competem com modelos de outros segmentos também”, diz o estudo.

Assim, apenas 45% das pessoas que consideraram um sedã premium acabaram comprando esse modelo. Os demais consumidores levaram para casa:
– SUVs: 16%
– Sedãs básicos: 14%
– Hatches básicos: 11%
– Hatches premium: 8%
– Peruas: 3%
– Picapes: 3%

Fonte: Portal G1

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *